Ex-presidente georgiano é preso ao voltar ao país.

Por Ana Luísa de Meneses Froemming em 10 de outubro de 2021.

Na sexta-feira do dia primeiro de outubro, o ex-presidente georgiano Mikheil Saakashvili postou nas suas redes sociais que havia voltado para o país. O ex-mandatário esteve na presidência de 2004 até 2013, sendo posteriormente condenado por acusações de corrupção. De início, o atual governo negou que o ex-presidente tivesse retornado, mas, horas depois, o primeiro-ministro, Irakli Gharibashvili, fez uma declaração dizendo que Saakashvili estava sob custódia. Nas palavras de Gharibashvili, “o terceiro presidente da Geórgia, o procurado Mikheil Saakashvili, foi detido e enviado para a prisão” (BBC News, 2021). Na última semana de setembro, Saakashvili postou uma foto de uma passagem de avião de Kiev para Tbilisi, que sairia no mesmo dia das eleições locais na Geórgia. Diante disso, o atual primeiro-ministro já havia prometido prender Saakashvili se ele voltasse para o país.

Saakashvili vive na Ucrânia desde 2015, quando renunciou à sua cidadania georgiana para se tornar governador da região de Odessa. Em 2018, ele se tornou procurado na Geórgia por acusação de abuso de poder e corrupção, as quais ele nega, afirmando que tais queixas são motivadas por questões políticas. Mesmo estando no exterior, o ex-presidente ainda é considerado uma figura de oposição ao Sonho Georgiano, partido que está no poder após obter maioria nas eleições de 2012. Nas eleições parlamentares de 2020, o partido recebeu 48,50% dos votos, garantindo a obtenção de mais de 50% dos assentos na assembleia. O resultado das eleições acabou gerando vários protestos no país, com a alegação de fraude, suborno e falsificação de votos pelo partido.

O ex-presidente deixou uma mensagem gravada, que foi publicada no Facebook após sua prisão. Nela, Saakashvili diz que provavelmente estaria sendo preso no momento, mas que encorajava as pessoas a votarem nas eleições locais que seriam realizadas no sábado, dia 2 de outubro, pedindo apoio ao Movimento Nacional Unido, principal partido de oposição, que ele ajudou a fundar.  

 

 

 

REFERÊNCIAS:

 

 

 

CHKHIKVISHVILI, David. Ex-presidente da Geórgia é preso ao voltar ao país antes de eleição e convoca protesto. Terra, 2021. Disponível em: <https://www.terra.com.br/noticias/mundo/ex-presidente-da-georgia-e-preso-ao-voltar-ao-pais-antes-de-eleicao-e-convoca-protesto,02fe8c8c0158c02b1a29b2829043142ea075wgrr.html>. Acesso em 09 de outubro de 2021.

LOMSADZE, Giorgi. Contested Georgian vote results in opposition boycott. Eurasianet,  2020. Disponível em:<https://eurasianet.org/contested-georgian-vote-results-in-opposition-boycott>. Acesso em:  08 de outubro de 2021.

LOMSADZE, Giorgi. Saakashvili steals the show, again. Eurasianet, 2021. Disponível em: <https://eurasianet.org/saakashvili-steals-the-show-again>. Acesso em 08 de outubro de 2021.

Mikheil Saakashvili: Georgia's ex-president arrested after returning to country. Euronews, 2021. Disponível em: <https://www.euronews.com/2021/10/01/mikheil-saakashvili-georgia-s-ex-president-says-he-returned-to-country-despite-arrest-thre>. Acesso em 09 de outubro de 2021.

Mikheil Saakashvili: Georgian ex-president arrested returning from exile. BBC News, 2021. Disponível em: <https://www.bbc.com/news/world-europe-58767420>. Acesso em 09 de outubro de 2021.