Rússia aumenta presença militar na região do Ártico

Por Maura Minozzo em 09 de abril de 2021

O governo de Vladimir Putin tem investido de forma expressiva na região do Ártico, seja com a reativação de antigas bases militares até a construção de imensos navios quebra-gelo. No dia 5 de abril, o canal de jornalismo CNN divulgou imagens de satélites nas quais podia-se constatar o aumento do arsenal russo na região, um poderio militar sem precedentes em uma região estratégica do globo. As imagens mostram a construção de inúmeras bases militares com instalações de armazenamento para armas de alta tecnologia. Segundo autoridades norte-americanas, há a preocupação de que as bases no Ártico, as quais estão em território russo e pertencem ao sistema de defesa da soberania e da integridade das fronteiras do país, possam ser utilizadas para o controle de outras áreas da região ainda não exploradas inteiramente pelo Kremlin, levando a uma possível intimidação militar na área, além de garantir projeção de poder russo no Atlântico Norte.

 

Outras autoridades ocidentais mostraram-se preocupadas com a investida do Kremlin na região, especialmente após a confirmação de que uma potencial superarma desenvolvida por cientistas russos possa estar nas fases finais de testes de eficácia. O torpedo não tripulado 2M39, que possui tecnologia stealth, a qual impede sua detecção, foi projetado para passar pelas defesas costeiras de seu alvo através do fundo do mar. Outros equipamentos como bombardeios e jatos MiG 31BM e novos sistemas de radar próximos à costa do Alasca, além da expansão do sistema de mísseis e os contínuos testes de armamentos na região do Ártico, contribuíram para aumentar a desconfiança do Ocidente quanto às intenções russas.

 

De acordo com Dmitry Peskov, porta-voz oficial do governo, o Kremlin considera a área de suma importância para a Federação Russa por estar diretamente relacionada com as fronteiras do país e a abrangência de sua zona econômica, o que justifica o investimento contínuo no local.

 

Além da alta concentração de hidrocarbonetos, a região do Ártico forma uma espécie de ponte entre Ásia e Europa, além de possuir a trajetória mais curta do planeta para mísseis balísticos, permitindo que alcance-se a maioria dos alvos estrategicamente mais importantes do globo.

 

REFERÊNCIAS:

 

BONET, Pilar. Nova guerra fria começa a despontar no Ártico. El País, 2021.Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2015/04/02/internacional/1427998445_036342.html>. Acesso em: 07 de abril de 2021.

 

SPUTNIK. Kremlin: presença no Ártico é um elemento necessário de construção militar da Rússia. Disponível em: <https://br.sputniknews.com/russia/2021040617275814-kremlin-presenca-no-artico-e
-um-elemento-necessario-de-construcao-militar-da-russia/>. Acesso em: 07 de abril de 2021.


WALSH, Nick. Imagens de satélite mostram aumento de arsenal russo no Ártico. CNN Brasil, 2021. Disponível em: <https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/2021/04/05/imagens-de-satelite-mostra
m-aumento-de-arsenal-russo-no-artico>. Acesso em: 07 de abril de 2021.