Rússia dispara contra navio britânico

Por Alexander Kubiak em 25 de junho de 2021.

Na manhã do dia 23 de junho, ocorreu um incidente que poderia ter tomado proporções imprevisíveis na costa da península da Crimeia (território anexado e controlado pela Rússia deste 2014), no Mar Negro. De acordo com o governo russo, um navio de guerra britânico (HMS Defender) teria entrado sem permissão em águas territoriais russas e, como reação, um navio militar e um jato russo dispararam tiros e bombas como advertência, fazendo o navio britânico retroceder.

Conforme o relato das autoridades russas, o navio britânico teria sido advertido por um navio da guarda costeira russa que deveria retroceder após entrar nas águas reivindicadas por Moscou perto do cabo Fiolent. Como o navio britânico teria ignorado o aviso, foram inicialmente dados tiros de aviso pelo navio russo e, posteriormente, um jato russo da Frota do Mar Negro jogou bombas no caminho do navio britânico, resultando em sua retirada.

Há divergência entre os relatos dos governos russo e britânico. De acordo com a versão do Reino Unido, bem menos dramática que a russa, o navio britânico se encontrava em águas internacionais, em uma viagem do porto de Odessa (na Ucrânia) até o porto de Batumi (na Geórgia) e não ocorreram tiros de aviso, mas sim manobras inseguras e pouco profissionais de um treinamento militar russo na costa crimeia.

Apesar do Reino Unido ter minimizado o incidente, o governo russo insiste com sua versão. A embaixadora britânica na Rússia, Deborah Bronnert, foi convocada pelo governo russo, que protestou pela suposta invasão de suas águas territoriais. Segundo nota publicada na agência estatal RIA, novas ações provocativas de navios britânicos gerarão consequências diplomáticas e militares pelo governo russo.

Já o vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, afirmou que o território russo seria protegido por todos os meios necessários e que se as leis internacionais não forem respeitadas, navios britânicos no Mar Negro poderão ser os alvos das bombas da próxima vez, em vez de estas serem lançadas apenas sobre o trajeto dos navios.

O Mar Negro é um território de conflitos históricos e de competição entre Rússia, Turquia, Ucrânia, Reino Unido e outros países. A Rússia reclama que as águas ao redor da península da Crimeia lhe pertencem desde que a península foi anexada pelo governo russo em 2014. Por outro lado, os países que formam a OTAN, incluindo o Reino Unido, negam reconhecerem o território como russo, sendo isto o motivo de uma constante tensão diplomática.

Este incidente foi mais um episódio de uma série de crises entre as forças da OTAN e seus aliados (principalmente a Ucrânia) e a Rússia. Desde que Joe Biden assumiu a presidência dos Estados Unidos, o conflito diplomático aumentou, com troca de acusações entre os líderes dos dois estados, além do aumento da presença militar russa na fronteira com a Ucrânia, gerando preocupação acerca de novos conflitos. Desta vez, porém, o alvo da Rússia foi o Reino Unido, uma mudança de foco da hostilidade de Moscou após o encontro de Biden e Putin em 16 de junho, em Genebra.

 

 

REFERÊNCIAS:

 

ESTADÃO INTERNACIONAL. Rússia ameaça bombardear navios britânicos que invadirem suas águas territoriais. O Estado de São Paulo, 24 de junho de 2021, 14h52. Disponível em: <https://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,russia-convoca-embaixador-britanico-para-criticar-incidente-com-navio-de-guerra-no-mar-negro,70003757928>. Acesso em: 24 jun. 2021.

FAULCONBRIDGE, Guy. GOLUBKOVA, Katya. Russia warns Britain it will bomb ships next time. Reuters, 24 de junho de 2021. Disponível em: <https://www.reuters.com/world/uk/britain-says-dont-get-carried-away-by-warship-spat-with-russia-2021-06-24/>. Acesso em: 25 jun. 2021.

GIELOW, Igor. Rússia diz que atirou contra navio militar britânico na costa da Crimeia. Folha de São Paulo, 23 de junho de 2021, 9h53. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2021/06/russia-diz-que-atirou-contra-navio-militar-britanico-na-costa-da-crimeia.shtml>. Acesso em: 24 jun. 2021.