Sanções contra Moscou e expulsão de diplomatas russos pelos EUA

Por Ana Luísa de Meneses Froemming em 16 de abril de 2021

Na última quinta-feira do dia 15 de abril, foi anunciado pelo governo dos Estados Unidos o estabelecimento de sanções econômicas ao estado russo. O presidente Joe Biden argumenta que tais medidas são uma resposta à alegada interferência russa nas eleições de 2020. Foi divulgado que, nessa mesma semana, Biden telefonou ao presidente Vladimir Putin para avisá-lo sobre determinadas ações. O governo norte-americano diz que Putin ajudou a formar campanhas que beneficiariam a reeleição de Donald Trump. O Departamento do Tesouro norte-americano, responsável pela administração do tesouro público do país, divulgou uma diretriz proibindo a compra de dívida pública do Banco Central da Rússia por instituições financeiras norte-americanas a partir do mês de junho.

Além do motivo citado acima, o site G1 listou mais dois motivos declarados para explicar as sanções norte-americanas: os ataques de hackers russos a empresas e órgãos governamentais dos EUA; e uma avaliação feita pela CIA, que denuncia uma ação russa de oferecer recompensas a quem matasse soldados norte-americanos no Afeganistão. Já os ataques cibernéticos foram ocorrências recentes ao longo de 2020, como o contra a empresa norte-americana de software SolarWind.

 

Os EUA também definiram a expulsão de vários funcionários da embaixada da Rússia em Washington, inclusive de dez diplomatas. Apesar dessas medidas, o presidente Biden afirma querer “uma relação estável e previsível” com a Rússia e que não tem intenção de iniciar um conflito que prejudique as relações diplomáticas com o país. Entretanto, esclarece que a alegada interferência russa fere a integridade e a segurança dos Estados Unidos e que, por esta razão, foi preciso estabelecer tais providências.

A resposta dada pelo governo russo foi que as ações impostas são agressivas e podem prejudicar as relações entre os estados. O Ministro das Relações Exteriores russo, Serguei Lavrov, diz que o país irá responder de forma recíproca: se dez diplomatas russos foram expulsos dos EUA, dez diplomatas norte-americanos terão de deixar a Rússia. Apesar disso, o ministro também esclarece que não serão tomadas “medidas dolorosas” contra os estadunidenses neste momento.

  

REFERÊNCIAS:

 

DEUTSCH WELLE. EUA sancionam russos por espionagem e ingerência em eleições. Disponível em: <https://www.dw.com/pt-br/eua-sancionam-russos-por-espionagem-e-inger%C3%AAncia-em-elei%C3%A7%C3%B5es/a-57225717>. Acesso em 16 de abril de 2021.

G1. EUA impõem sanções à Rússia por interferência em eleições e ataques virtuais. Disponível em: <https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/04/15/eua-impoem-sancoes-a-russia.ghtml>. Acesso em 16 de abril de 2021.

JORNAL NACIONAL. EUA anunciam sanções econômicas contra a Rússia. Disponível em: <https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2021/04/15/eua-anunciam-sancoes-economicas-contra-a-russia.ghtml>. Acesso em 16 de abril de 2021.

 

VALLEJO, María Antonia Sánchez. Biden impõe duras sanções à Rússia por ciberataques e ingerência nas eleições. El país, 2021. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/internacional/2021-04-15/biden-impoe-duras-sancoes-a-russia-por-ciberataques-e-ingerencia-nas-eleicoes.html>. Acesso em 16 de abril de 2021.